micrônicas

Os meus mofos

Em 2006, fiz como meu TCC em jornalismo, um livro-reportagem-biográfico sobre Caio Fernando Abreu, Caio F. Queria mostrar as singularidades da vida do escritor com as dedicatórias dos contos de seu, talvez, mais conhecido livro “Morangos Mofados”. Para tanto, fui atrás das pessoas citadas para cada texto e tentei descobrir “os mofos” na memória que …

Os meus mofos Read More »

A carta nunca escrita por alguém que nunca deveria ter escrito uma carta

E aí, veio a vontade de escrever a carta que você nunca escreveu. O você, neste caso, não é o você que está lendo esta mensagem. Mas o você oblíquo, que passou da zona de conforto daqui para atingir um outro grau de existência. É um você simbólico. Inclusive pela obliquidade de você ser você, …

A carta nunca escrita por alguém que nunca deveria ter escrito uma carta Read More »

Cida

E esse deus que mal sabe o que está acontecendo aqui embaixo? E me manda umas lágrimas enferrujadas para que eu saiba que, sim, estou viva. No meio de tudo isso que tenho feito, sei bem que ele não sabe nada. E por ser ignorante, me manda chorar. Bobinho. Eu sou forte, lindinho. Tenho sete …

Cida Read More »

Péssima visita

Coração tenso. Mente envenenada. Como pode? Depois de tantos anos, como pode? Como a cegueira pode ter dominado um corpo que cultuava a visão? Como o clichê chegou aos sentimentos mais densos? Como o fútil pode ter dominado o intelectual? Como aquelx que deveria ponderar julga com sete espadas? As perguntas, sem respostas, se transformam …

Péssima visita Read More »

A balança

De um lado, a criação. De outro, o deserto. Daqui, pula-se, grita-se, chora-se, muda-se. De lá, ranhuras, ventos, pro-fun-di-da-de, certezas. Nem um verde, nem um para-cima. Seres todos embaixo da terra. Vida só sob camadas e mais camadas de algo que poderia ser gerador, mas que ficou estéril por significância. Daqui, vida é por geração …

A balança Read More »

O vazio

Rá! Você só pode estar brincando comigo. Você não sabe olhar para o seu próprio umbigo, meu nego. Caláboca. Suas histórinhas só servem para me fazer dormir – em dia de insônia ainda! E vem me dizer que, depois de beber garrafas e mais garrafas de brahma, está sentindo um vazio? Um vazio!? Axe, diacho, …

O vazio Read More »

Os calos

Vocês nem sabem as dores pelas quais esse coração já passou. Chega a me doer de verdade de lembrar quantas dores foram pela mentira. Ai, ai. Dizem que coração calejado é terreno fértil para o amor. Para mim é mais um cemitério. Um deserto de almas. Se passa a vida, se deixa a alma. Mesmo …

Os calos Read More »

A você

____________, 13 de julho de 2032. O mundo é nosso, meu pequeno. A infância é só um processo para lá de complicado. Já se imaginou grande, forte, fumando um cigarro e abrindo esse seu sorriso cheio de dentes para o amor? Tenho essa imagem na minha cabeça (que me explode de felicidade) ao escrever essa …

A você Read More »