# paisagemfabricada

Facções criminosas

É neste prédio. É aqui que eles estão a prendendo. Pela porta principal, claro, seria impossível entrar sem causar muito alarde. Temos que achar alternativas. Você, que é menorzinha, suba pelo cano de ventilação e tente chegar à cobertura. De lá, a gente vê o que faz. Eu vou logo em seguida. Ei, você, qual é o plano? Quantos a gente tem? Certo, mas quem vai pela frente e quem vai por trás? E quantos são lá dentro? Certo, vocês vão com as facas pela frente e eu fico aqui para proteger a retaguarda. Se alguém sair ou entrar do prédio, eu garanto que não vai muito longe. Embora a gente não use armas de tiro, as facas resolvem muito bem.

Ei, você está bem? “Eu quase morri, escorreguei do tubo de ventilação. Foi por um milagre que consegui chegar aqui”, narrou. Ok, então, já vi que eu subir pelo tubo também não vai adiantar. Cadê o carro? Eles já devem estar prontos, temos que preparar a fuga. “A gente está precisando de ajuda aqui pela entrada principal, venha!”, pediram. Não, não vou. Não serei muito útil com poucas pessoas no time. Preciso que se tenha um grupo bem formado para invadir uma área apenas munindo facas. Aborte a parte da frente e vamos nos concentrar na parte de trás.

Elas chegaram. Bem na hora que o carro se aproxima. Coloque-a aí dentro e suma do mapa. Eu sairei andando e garantindo que está tudo tranquilo. Ei, por que você está cortando a sua garganta com um cutelo?! “Vai ficar tudo bem, só garanta que a polícia e a ambulância cheguem a tempo”. Mas que ideia estúpida! Eu sou criminoso e ainda tenho que chamar a polícia! Jogo o meu facão e ando pela rua com a maior cara de inocente. “Onde você está indo?”, pergunta a detetive que me para na calçada. “Estou só andando, deixe-me passar”. Ela não se convence, mas não tem provas para me deter. Viro a esquina e encontro duas viaturas da polícia. Aceno. “Hey, you need to go that way, there is a woman severely hurt in the street! Call an ambulance and go there!”, chamei, sem saber o porque da mudança de língua. “Are you part of PT or PSDB?”, indaga uns dos policiais. “Eu não tenho partido político, apenas sou”. E saí andando.

A detetive, porém, não queria me perder de vista. Senti que ela estava me seguindo a poucos metros de distância. Entrei correndo em um prédio com diversas escadarias. Em pouco tempo, a detetive me alcança e me detém. Droga de escadas e como ela consegue subir tão rápido? Ela deve ser muito veloz em obstáculos. Ela pega o seu rádio e chama mais uma viatura para me levar à delegacia. Todas as viaturas estão ocupadas. Ela discute com alguém e dá alguns passos para longe de mim. É a minha deixa. Saio correndo e subo várias, mas várias escadas em diversas direções. Depois, sabendo que ela não esperaria que eu descesse pelo outro lado, desço correndo desesperadamente, pulando degraus e, às vezes, lances de escada inteiros. Vejo um poste de ferro iguais aos que se têm em alguns bombeiros, e desço sem nem saber a extensão ou onde vai dar.

Caio dentro de um apartamento, com diversos beliches e muitas pessoas conversando. Caio sentado em uma das camas, onde uma menina loira e com cabelos não lavados, com uns 18, 19 anos, está sentada. Ela puxa papo como se fosse a coisa mais comum alguém aparecer no apartamento do nada. “Tudo bem?”. “O que é isto daqui?”, respondo. “É uma casa, onde a gente dorme”. “Quantos moram aqui?”. “Umas 20, 25 pessoas, dependendo do dia. A gente sempre está aberto a novos integrantes, como você pode ver” e aponta para cima. Vejo um buraco no teto por onde uma luz solar entra, deixando o ar muito mais leve. Uma criança negra, com olhos grandes, está no lado de fora do buraco, segurando em uma das grades vermelhas. “A gente é bem aberto.” “Quanto vocês pagam?”. “Ô, vai com calma. Respondo as perguntas tranquilamente, mas você não está muito bem não.” Não, não estou muito bem. Uma detetive está me seguindo, uma amiga acabou de cortar o pescoço com um cutelo e, aparentemente, faço parte de uma facção criminosa, mas nada disso eu posso falar contigo. “Eu, às vezes, sou bem pragmático. Desculpa”.

Acordei.

0 comments
Comente