Categories
micrônicas

Zoo

Ele anda marcando o tempo da vida com a mão. Aquele não consegue olhar para o lado apenas com o pescoço; seus movimentos são seguidos por dois ombros, como se estivessem amarrados. Aquele dali não tem coragem de encarar o seu destino final, então segue seus pés com olhos atentos. Esta outra dizem que trabalhou muito com a vida, por isso não consegue fechar direito as pernas. E esse daqui parece uma quimera de tantos animais juntos: pato, pinguim e macaco em um mesmo ser. É por isso que eu não gosto de zoológico.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *